Tratamento

Traumatismo Craniano.

O Traumatismo Craniano é denominado a toda pancada ou abalo violento sobre o crânio, com repercussões ou não do encéfalo, e ossos que a constituem sejam ou não fraturados ou perfurados. O cérebro pode ser afetado mesmo que o impacto ocasionado não frature ossos e não penetre dentro do crânio.

Muitas lesões podem ser causadas por um simples impacto violento que faça o cérebro chocar-se contra as paredes cranianas como, por exemplo, nas acelerações ou desacelerações bruscas.

O cérebro pode ser afetado tanto no ponto do impacto do trauma quanto no pólo oposto, que se choca contra a parede craniana contralateral. Além disso, um traumatismo craniano pode também produzir ruptura de nervos e de vasos sanguíneos, agravando suas consequências.

As causas mais frequentes são os acidentes de trânsito, quedas, lesões cortocontusas por agressão física, acelerações e desacelerações bruscas. Os sinais e sintomas mais comuns são: desmaio, perda da consciência, dor de cabeça intensa, sangramento pela boca, nariz ou ouvido, diminuição da força muscular, sonolência, dificuldade da fala, alterações da visão e da audição, perda da memória e coma. Estes sintomas podem demorar até vinte e quatro horas para aparecer e, por isso, o indivíduo deve ser observado atentamente dentro deste período, de preferência em um hospital.

O diagnóstico das características e da extensão dos traumatismos cranianos pode ser feito por meio da Radiografia, Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética do Crânio e Encéfalo.

O tratamento varia de caso a caso, sendo o principal objetivo estabelecer as funções vitais do paciente, por vezes com necessidade de suporte de UTI e respiração com auxilio de aparelhos. Controle da pressão intracraniana por meios clínicos ou cirúrgicos. Identificação de consequências do traumatismo e drenagem de possíveis hematomas, correção de afundamentos ósseos, hidrocefalia e convulsões.